sexta-feira, setembro 16, 2005

A falácia da invasão e a fabulosa civilização indígena.

O escritor crioca João Ubaldo Ribeiro disserta acerca da falácia da invasão do Brasil, explana sobre a condição de sociedade indígena, que até hoje não evoluiu nas tribos isoladas, sobre a ação dos Portugueses e seu heroísmo na colonização de tão vasto território e por fim compara a situação de países colonizados por outros países europeus e a hipotética situação do território brasileiro caso não houvesse o braço Português para manter a ordem.
Levando-se em conta nossa pitoresca realidade contemporânea, até que a quantidade de besteiras dita e escrita sobre o controvertido aniversário do Brasil não dá para surpreender. O que chateia um pouquinho é que diversas dessas besteiras continuarão a perseguir-nos pela vida afora, algumas talvez trazendo conseqüências indesejadas. A principal delas, naturalmente, é a de que o Brasil começou em 1500, quando nem mesmo no nome isso aconteceu, posto que éramos uma ilha quando os portugueses primeiro viram as terras daqui e, durante muito tempo, o Brasil que duvidosamente existia não tinha nada a ver com o Brasil de hoje. A impressão que se tem é que, do povo às autoridades e mesmo aos entendidos, acha-se que o Brasil já estava no mapa, com as fronteiras e características atuais, no momento em que Cabral chegou. Teria tido até um nome nativo, já proposto, pelos mais exaltados, para substituir "Brasil": Pindorama, designação supostamente dada pelos índios ao nosso país. Não sou historiador, mas também não sou tão burro assim para acreditar que os índios tinham qualquer noção geopolítica, ou alguma idéia de que pertenciam a um "país" chamado Pindorama. Não havia qualquer país, é claro, nem sequer a palavra Pindorama devia fazer sentido para os ocupantes que os portugueses encontraram aqui, se é que ela era usada mesmo. No máximo, significaria o único mundo conhecido deles. Parece assim que os nossos índios administravam impérios e cidades como os dos maias, astecas ou incas, quando na verdade, que perdura até hoje, viviam neoliticamente e a maioria esgotava os numerais em três - era o máximo que conseguiam contar e o resto se designava como "muito". Compreende-se que nativos de países como o Peru, o México e outros, notadamente na América Central, se sintam invadidos. Até hoje são numerosos e discriminados, muitos nem falam espanhol e, quando aportaram os conquistadores, tinham cidades maiores do que as européias. Mas nós? Quem, com a notável exceção do amigo pataxó e da jovem senhora xavante que ora me lêem, foi aqui invadido? Vamos supor, já jogando no terreno da absoluta impossibilidade, que o chamado mundo civilizado ignorasse a existência destas terras até hoje. Teríamos aqui, não o Brasil, mas uns quatro milhões de nativos de beiço furado e pintados de urucu e jenipapo (nada contra, até porque furamos as orelhas, nos tatuamos e usamos batom, é uma questão de estilo), que não falavam as línguas uns dos outros, matavam-se entre si com alguma regularidade e cuja tecnologia não era propriamente da era informática. Brasil mesmo, nenhum.Cometeram-se e cometem-se crimes inomináveis contra os índios, que devem ter seus direitos assegurados. Também se cometeram e cometem crimes contra grande parte dos brasileiros índios e não-índios, outra vergonha que precisa ser abolida. Mas isso não tem nada a ver com a tal invasão, assim como a outra série de besteiras intensamente veiculada, segundo a qual, se não houvéssemos sido colonizados pelos portugueses, estaríamos em melhor situação, assim como estão em melhor situação a antiga Guiana Inglesa, o Suriname, a Indonésia, a Nigéria, a Somália, o Sudão e um rosário interminável de ex-colônias européias, quando na verdade se trata de um caso claro de o buraco achar-se bem mais embaixo. Como é que se diz "babaquice" em tupi-guarani?João Ubaldo Ribeiro.http://www.almacarioca.com.br/cro14.htm#top

3 comentários:

Rodrigo Nunes disse...

Grande texto que o ACJA encontrou...e contra factos não há argumentos.

acja disse...

Esta frase é minha ó rapazito....hehehehehe.Achei-o interessante pq é de um escritor famoso e de relativo reconhecimento e prestígio, diz a verdade, somente a verdade sem demagogia de dizer q "os índios cuidarm do Brasil pra nós" , eles não tiveram capacidade pra modificar a sociedade e a natureza e consequentemente progredir.

Elvis Jordan. disse...

É .. muito interssante msmo !!
Verdadeiro e realista ^^


....

ei pessoal depois dêem uma olhadinha no meu blog, sou novo nesse "mundo" e começei a 1 dia, Daqui mais Ums dias vai ter de tudo sobre tecnologia no meu blog!!

http://tecnojordan.blogspot.com
http://tecnojordan.blogspot.com

valeuu!!