sexta-feira, abril 07, 2006

O estupro das soberanias nacionais.

Olavo de Carvalho disserta sobre um dos mais controversos temas da atualidade, a soberania nacional, e como tema de fundo toma o igualmente controverso aborto, países de maioria católica como Portugal resistem e se reservam o pouco de dignidade de proibir o aborto indiscriminado.A posição da ONU é diferente, defende o aborto como defende a globalização e a extinção das "barreiras" nacionais ou das identidaddes nacionais cultivadas maioritariamente a custos elevados de sangue, tempo e razão, motivos bastantes lógicos para quê um povo que vivesse na normalidade e não na obscuridade da manipulação que hoje se sofre tivesse orgulho, ou ao menos respeitasse o seu legado.O aborto é apenas um dos temas em que a ONU discorda e quer se fazer afirmar sobre as soberanias e opniões, a Nova Ordem Mundial quer mais, tudo o que estiver a seu alcançe e tudo o que preserve a nacionalidade e o direito de exitir de um povo.
Aquele que diz defender a liberdade é o maior imperialista de todos.
"A ONU está firmemente decidida a tornar o abortismo obrigatório em todas as nações do mundo, sob pena de sanções econômicas. É a mais vasta e brutal interferência uniformizante que um poder transnacional já ousou fazer em países nominalmente soberanos. A intromissão vai furar a casca jurídica e administrativa e ir direto aos fundamentos de cada sociedade. Será a extirpação completa das raízes morais e religiosas milenares de culturas inteiras – e não é preciso dizer que junto com esses fundamentos irão embora as respectivas identidades nacionais.Nomeada e paga por Estados independentes, a burocracia internacional da ONU e da CE se empenha ativamente em destruí-los e em erguer-se acima deles como governo mundial. A decisão explícita nesse sentido já está tomada desde 1994: “Os problemas da humanidade já não podem ser resolvidos pelos governos nacionais. O que é preciso é um Governo Mundial. A melhor maneira de realizá-lo é fortalecendo as Nações Unidas” (Relatório sobre o Desenvolvimento Humano).
Até o momento, a imposição desse novo poder era camuflada e sutil. Decisões da alçada dos governos e parlamentos iam sendo, pouco a pouco, transferidas para comissões técnicas transnacionais, inteiramente protegidas de qualquer fiscalização pelos eleitorados. A soberania política, jurídica, econômica e militar das nações ia sendo cortada fatia por fatia, lentamente, sem que os povos afetados recebessem informação em tempo de organizar-se para reagir.(...)
Se há uma situação em que faz sentido falar de “genocídio cultural”, é essa. E não é preciso dizer que novas medidas do mesmo teor virão nos próximos anos, varrendo do mapa símbolos, valores, costumes e tradições que desagradem ao autonomeado governo do mundo. A profundidade e abrangência da mutação planejada vai além de tudo o que a imaginação banal dos politólogos acadêmicos e dos analistas econômicos da mídia pode hoje conceber.De um lado, a substância ideológica dessa revolução é extraída diretamente do materialismo revolucionário do século XVIII: trata-se de criar uma sociedade global totalmente administrada e controlada por uma elite de intelectuais iluminados, porta-vozes da razão científica contra o obscurantismo das religiões e culturas tradicionais.
Mas todo esse racionalismo é somente uma casca brilhante construída para engodo das multidões (nisto incluído o “proletariado intelectual” das universidades). Por dentro, o iluminismo inteiro foi um amálgama tenebroso de ocultismo, magia, gnosticismo, sociedades secretas, rituais entre cômicos e macabros. Não há um só historiador sério que ignore isso." (...)

14 comentários:

Eloy Stein disse...

Como se atreve a falar em estupro?!?!
Com que descaramento você fala do Livro do Gênesis?!
Oh cara!
Se manca!

Reze a Deus para que o demo saia de sua alma e você possa ver a Luz!
Flagele-se com um chicote para expulsar Satan!

Oremos.

acja disse...

Quero saber quem, foi o desgraçado que deixou a porta da sala de informática do Sanatório aberta!!!!

JV disse...

a substância ideológica dessa revolução é extraída diretamente do materialismo revolucionário do século XVIII

Materialismo Revolucionário do séc. XVIII? O século onde todas as revoluções decorriam de abstracções tão etéreas como a Razão e "a eterna validade do Direito Natural" era... materialista????
Dou-lhe dois conselhos: beba água, e aprenda História.

JV disse...

trata-se de criar uma sociedade global totalmente administrada e controlada por uma elite de intelectuais iluminados, porta-vozes da razão científica contra o obscurantismo das religiões e culturas tradicionais.

Não vejo o que o possa incomodar nisto: não propugna você a estupidez do povinho e a necessidade d eum governo sofiocrático que o enquadre?

Mas todo esse racionalismo é somente uma casca brilhante construída para engodo das multidões

É racionalista ou materialista? Organize-se!

(nisto incluído o “proletariado intelectual” das universidades).

Pobres universitários, ao que chegam, têmde viver como proletários...
8estou, logicamente, a partir do princípio que você faz ideia do que é um proletário)

Por dentro, o iluminismo inteiro foi um amálgama tenebroso de ocultismo, magia, gnosticismo, sociedades secretas, rituais entre cômicos e macabros.

VFocê dava um grande romancista, se não escrevesse tão mal: é que imaginação não lhe falta.

Não há um só historiador sério que ignore isso.

Aponte dois ou três que o advoguem, então. Força nisso.

acja disse...

Primeiramente o texto não é meu, como é bastante visìvel no prefácio a seleção das linhas do artigo.
O artigo é de Olavo de Carvalho um sociólogo e filósofo conhecido internacionalmente, alguèm que o senhor ou a senhora, creio que depende do horário..... compreenderà.
Prova disso é uma alusão fácil de se entender que vc inutilmente quis rebater, aquela dos universitários proletários, è òbvio que ao chamar os universitários de proletários quer dizer que se sentem assim ou se designam por serem de esquerda, ou o pròpio autor o designa.
Espero sua resposta amarga e cheia de presunção.

JV disse...

Primeiramente o texto não é meu, como é bastante visìvel no prefácio a seleção das linhas do artigo.

Aí, e na falta de erros de pontuação.

O artigo é de Olavo de Carvalho um sociólogo e filósofo conhecido internacionalmente, alguèm que o senhor ou a senhora, creio que depende do horário.....

Sebhor a tempo inteiro. Já agora, se não tem argumentos, não entre pelo insulto. DFá-lh um ar (ainda mais) ridículo.

compreenderà.

Compreendê-lo não compreendo, e já expus os pontos em que o não compreendo.
Mas agradeço elucidações.

Prova disso é uma alusão fácil de se entender que vc inutilmente quis rebater, aquela dos universitários proletários, è òbvio que ao chamar os universitários de proletários quer dizer que se sentem assim ou se designam por serem de esquerda

Um proletário é uma pessoa que precisa de pôr os próprios filhos a trabalhar porque não tem qualquer outra fonte de subsistência (consulte um dicionário). Não significa, nem nunca significou, ser de Esquerda, e qualquer universitário ou sociólogo que tal afirme é um imbecil liminar.

ou o pròpio autor o designa.

O próprio autor só poderá design-lo se for iognorante quanto ao significado do termo que emprega.

Espero sua resposta amarga e cheia de presunção.

Cá está ela.
Quanto a mim, continuo à espera dos nomes de meia dúzia de historiadores sérios que considerem que o iluminismo inteiro foi um amálgama tenebroso de ocultismo, magia, gnosticismo, sociedades secretas, rituais entre cômicos e macabros.
Força nisso...

acja disse...

Desculpe pela dùvida quanto a sua identidade sexual, mas o seu nome não ajuda muito e as pessoas de esquerda êm certas tendências.... mais liberais....

JV disse...

Desculpe pela dùvida quanto a sua identidade sexual

Peça antes desculpa pelas insinuações brejeiras acerca dos meus comportamentos.

mas o seu nome não ajuda muito e as pessoas de esquerda

De Esquerda? Volta a insultar-me????

êm certas tendências.... mais liberais....

Não são liberais: são libertinas.

acja disse...

Se o senhor não é de esquerda q é?
..........nacional socialista não è....liberal......

newsflash disse...

CAso o sr.ACJA não saiba, o termo "Liberal", na Europa, tem conotação à Direita, por oposição ao Socialismo.

Governos Liberais e Neo-Liberais são considerados de Direita* e recebem uma furiosa oposição das Esquerdas.

*o que é correcto. Quem deturpa o termo 'Liberal' são os norte-americanos.

acja disse...

Obrigado.

JV disse...

Se o senhor não é de esquerda q é?

Faça lá um pequenino esforço: se não sou de Esquerda, serei o quê? Além da Esquerda, que alternativas há? A direita, certo Proto: então, sou de Direita, mas da Direita democrática, daquela que quer a sociedade a trabalhar, que quer o Estado mais magro e mais eficiente, sem bur(r(cracia inútil, etc.
Oponho-me ferozmente a qualquer ideia salazarista, seja no tocante ao colonialismo, ao conservadorismo, à tortura e perseguição de opositores políticos, e à mentalidade tacanha e mediocrizante - passe o neologismo - do Portugualzinho, do pobrezinhos mas limpinhos, do viver habitualmente.

nacional socialista não è....liberal......

Não sou nacional-socialista, e sou Liberal no sentido europeu.
De resto, também Salazar não era Nacional-Socialista: era um conservador maurrassiano, e um sectário do plurirracialismo e pluricontinentalismo de Portugal.
O oposto absoluto de qualquer nacional-Socialista.

acja disse...

Muito grato por me explicar o q é o Salazarismo.
Creio q sem essa explicação de mente tão iluminada não poderia prosseguir minha jornada.
Parabéns, direitista, democrata e liberal.

JV disse...

Muito grato por me explicar o q é o Salazarismo.

Ora essa, não tem nada que agradecer.

Creio q sem essa explicação de mente tão iluminada não poderia prosseguir minha jornada.

Você tem-me mesmo em alta conta, até fico impessionado...

Parabéns, direitista, democrata e liberal.

De nada, Salazarista, Nacional-Socialista e conservador.