segunda-feira, maio 15, 2006

Guerra Civil estoura no Brasil.

A série de violentos ataques a alvos policiais entre a noite de sexta e a manhã deste domingo atribuída à organização criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) impressionou até mesmo órgãos de comunicação internacionais, na mesma página em que estampa o dia mais violento em Bagdá com cerca de 30 mortos o NY Times comenta sobre os atentados contra a Polícia Militar de São Paulo, nos quais morreram 52 pessoas, mais do quê num país em guerra declarada.
As ações resultaram em 52 mortos, entre os quais policiais militares, policiais civis, guardas metropolitanos, agentes penitenciários e até bombeiros!, civis e felizmente alguns bandidos. Os feridos são mais de 50. Foram contabilizadas pelo menos 49 rebeliões em presídios -- com mais de 200 reféns -- e 100 ataques a bases das polícias civil e militar em vários estados do Brasil, em especial São Paulo.
Os ataques foram efetuados à maneira covarde do bandido, às pressas e de surpresa, em um dos ataques 2 bombeiros morreram e um ficou ferido, os bombeiros têm o direito de andar armados mas poucos o fazem, nesse caso um deles estava armado e conseguiu heróicamente matar um bandido.
O governo do Estado informou que os ataques contra as instalações públicas foram motivados pela transferência de 765 líderes de facções criminosas para o presídio de Presidente Venceslau, interior do Estado. O objetivo das transferências foi o de isolar lideranças de grupos criminosos, a organização está tão bem montada que pode, com larga possibilidade organizar este tipo de ação e tornar-se uma opção de vida ao Estado nacional, culturalmente o bandido é hoje mais afamado que a Polícia e muito mais protegido pela Justiça e opinião pública, o hedonismo e os teoremas de problemas sociais esquedistas levam a este tipo de fenômeno sanguinário e anarquista, sob o viés dos direitos humanos os presos têm regalias e direitos negados a maioria das pessoas, em especial os agentes da Lei, o principal é o direito à vida.
Somente uma resposta forte e implacável do governo podem terminar com este estado de baderna e caos, somente um Estado forte pode conferir à miscelânia cultural brasileira a paz e a ordem, somente ações contra o crime e em favor da civilização podem erradicar o banditismo do Brasil, somente um governo militar pode reconstruir o combalido Brasil, o eterno país do futuro ao status que geograficamente merece, o de país do presente.
Ou mecanismos represivos à margem da Lei e de efeito temporal, como o antigo e saudoso Esquadrão da Morte, caçado pelas autoridades, em defesa dos bandidos.
A ilusão de uma reformulação constitucional é ridícula, os que são adeptos se calcam em ilusões e em uma vontade política inexistente no Brasil, sabe-se que muitos dos políticos têm ligações com o crime organizado e financiam ética e pecuniariamente estas barbáries, precisa-se urgentemente de uma resposta a altura, que ponha fim na descrença no Estado e na autoridade e que coloque um ponto final na desordem brasileira, seja feito o que for preciso.

Um comentário:

Euro-Ultramarino disse...

Depois de glorificarem os delinquentes como heróis sociais e com estes associarem-se em múltiplas negociatas e conivências, agora colhem os frutos bem maduros. Pena é que a população inocente é quem paga, com imenso sofrimento, a pesada factura. Concordo com o Amigo: hoje em dia apenas a força militar pode pôr cobro a este estado lamentável.