segunda-feira, julho 31, 2006

Mais um ano sem Francisco José.

Já são 18 anos sem um dos maiores fadistas.
Faleceu neste dia em 1988 uma das maiores vozes do sentimento Português, o fado.
Natural de Évora, nascido em 1924, Francisco José Galopim de Carvalho (de seu nome completo, sendo irmão do cientista Galopim de Carvalho). Foi aceito no Centro de Preparação de Artistas de Rádio da Emissora Nacional em 1948, e em breve a sua voz quente e sugestiva o torna num dos nomes preferidos dos ouvintes da rádio. E, em 1951, edita aquele que será o seu ex-libris: a balada Olhos Castanhos que se torna num êxito estrondoso e ficará para sempre ligada à sua voz. Não é, contudo, o seu único êxito, como o comprovarão Deixa Falar o Mundo ou Ana Paula. Em 1954, embarca para o Brasil, mercado então muito aberto aos artistas portugueses( não para a promiscuidade horrível americana ou o as tendências banditistas e negrófilas), deixando para trás a carreira de sucesso feita em Portugal. Até 1960 actuará essencialmente para a comunidade portuguesa radicada no Brasil, e só em 1961 consegui gravar um seu primeiro disco: uma nova versão de Olhos Castanhos que atinge um sucesso sem precedentes no país, vendendo um milhão de cópias!
Silêncio, que vai se cantar o fado!

Um comentário:

Pedro Ferreira, Visconde de Cunhaú disse...

Boa recordação esta, de um dos nomes do fado.
Um abraço português!